DOENÇA NA GENGIVA

Os restos alimentares, além de provocar cárie, formam também o tártaro que "separa" o dente da gengiva, ocasionando inflamação e infecção, da seguinte forma:

 

Placa bacteriana formada por restos de alimento.

Tártaros irritam a gengiva provocando uma Inflamação chamada gengivite (gengivas inchadas, sensíveis e sangrentas).

Formação de bolsas de pus (infecção) e destruição do osso que suporta o dente. Com o osso destruído, o dente fica mole e pode cair.                               

 

 

A perda de um dente prejudica não só a estética e a fonética, como também a mastigação e todo o processo digestivo. Com o espaço ("buraco") deixado pelo dente perdido, os dentes vizinhos perdem o apoio e movimentam-se, "desengrenando" um dente do outro, causando também problemas nas arcadas e nas gengivas.
A conservação dos dentes em perfeito estado deve ser feita logo na infância, pois embora os "dentes de leite" caiam, eles servem de guia, abrindo caminho para os dentes permanentes nascerem na posição correta.  

PREJUÍZO À SAÚDE

Os 32 dentes do adulto (16 em cada arcada dentária) têm a função de preparar os alimentos para serem digeridos no estômago. Com a falta de dentes, os alimentos não são bem cortados, perfurados, triturados e esmagados, transferindo mais trabalho para o estômago e causando problemas no sistema digestivo. Uma vez prejudicada a alimentação, poderá ocorrer deficiência no sistema de defesa do organismo. Como focos permanentes de infecção, a cárie e as doenças gengivais liberam secreções ou pus, que engolidos, podem cair na circulação sangüínea e atingir outros órgãos.